Notícias

Queda de pontes e bueiros é alvo de debate na Câmara

29/02/2008 00:00 274
A audiência pública foi promovida pela Comissão de Obras e Serviços Públicos
Nos últimos dez anos Aparecida de Goiânia registrou diversas ocorrências envolvendo a queda de bueiro e pontes em decorrência das enxurradas do período chuvoso. Para tratar deste tema a Câmara Municipal por meio da Comissão de Obras e Serviços Públicos promoveu na tarde desta quinta-feira,29, audiência pública com a presença do secretário municipal de Infra-estrutura Ildney Alves. Estiveram presentes ainda o secretário municipal de Meio Ambiente, Lafaiete Campos Filho, o coordenador do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (IPPUA), Marcos Arimatéia, o secretário de Comunicação Social da Prefeitura (Secom) Urias Júnior, o major Sérgio, subcomandante do 8º Batalhão da Policia Militar, o primeiro tenente do Corpo de Bombeiro, Weder e os presidentes estadual e municipal do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), Domingos Pereira e Décio Vieira Santos, respectivamente. A audiência contou também com representas das Associações de Moradores dos Setores Veiga Jardim I,II e II, Garavelo e Jardim Monte Cristo, além do presidente do Conselho das Associações de Moradores de Aparecida (Camap), Celismar Gabriel. O município vive um triste histórico com os estragos das chuvas nos últimos três ano. No final de 2006 três bueiros celulares foram destruídos parcialmente, na Avenida Brasil, no setor Parque das Nações, divisa com a Avenida Escultor Veiga Valle entre o Veiga Jardim III e IV e a Rua Dom Pedro I, que liga o Jardim Maria Inês e ao Jardim Imperial. A queda de uma ponte entre a Cidade Vera Cruz II ao Conjunto Vera Cruz também trouxe transtornos na mesa época. No mesmo ano a queda do bueiro da Avenida W-7, no Setor Santa Luzia, foi um dos problemas que mais atingiu a comunidade. Como conseqüência, os moradores do Residencial Santa Luzia ficaram ilhados e sem linhas ônibus. Outro desvio deve de ser improvisado para atender a demanda de passageiros do setor. Todos os estragos citados a cima já forma reparados pela Prefeitura. A situação mais preocupante foi registra este mês quando o rompimento do bueiro celular na Avenida Uirapuru, no setor Morada dos Pássaros acabou vitimando fatalmente três irmãos que trafegam pelo local durante um temporal na noite do dia 14 passado. O presidente da Comissão de Obras e Serviços Públicos, Helvecino Moura da Cunha (PT) lamentou todos estes estragos. São prejuízos para os cofres públicos e vidas humanas são ceifadas. Queremos entender o que esta havendo e como fiscalizadores vamos aprofundar na buscas de respostas para nossas indagações, pontuou o vereador. O secretário de Infra-estrutura, Ildney Alves ressaltou que não há possibilidade de prevê os danos da natureza, mas os técnicos da pasta realizam periodicamente um serviço de vistorias de pontes e bueiro no município. É uma determinação do prefeito José Macedo, de acompanhar as obras em andamentos e aquelas que já foram realizadas afim de evitar este tipo de transtorno, garante. O presidente da Câmara, João Antônio Borges (PSB) indagou ao secretário sobre a qualidade do material utilizado na recuperação e construção das pontes e bueiros. Queremos saber se há erros do ponto de vista da engenharia dessas estruturas porque aí onde poderia estar o erro, enfatizou. Sobre este aspecto Ildney informou que há uma fiscalização rigorosa na busca de material resiste para a construção de bueiros e pontes. Temos um corpo técnico altamente capacitado, por isso não usaríamos material de baixa qualidade, reforça. O vereador Valdemar Moreira lembrou que as dificuldades enfrentadas por Aparecida deve-se ao aumento populacional e a falta políticas mais eficientes que acompanhem o crescimento. Aparecida conta atualmente com quase meio milhão de habitantes. Aqui chegam centenas de pessoas daí é inevitável que os problemas não ocorram. Mas precisamos nos armar de munições que possam atender a necessidade de nossa população de forma planejada e arrojada, defendeu. Para Josiel Meneses falta ainda conscientização por parte da comunidade na colaboração para evitar danos ao meio ambiente que acabam causando sérios danos. O povo precisa de educação ambiental para que entendam que não se pode despejar lixo nas margens de nosso córregos e rios. Tudo isso vai para os bueiros e pontes e acabam contribuindo para o obstrução e consequentemente o estouro dos bueiros, destacou. O secretário do Meio Ambiente, Lafaiete Campos Filho lembrou que a pasta tem procurado realizar este tipo de trabalho, mas tem encontrado dificuldade para que a população colabore. Este é nosso papel, mas nem todo mundo entende a mensagem. Apesar desta realidade vamos continuar dizendo aos moradores que a participação deles é importante neste processo, emenda. O coordenador do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (IPPUA), Marcos Arimatéia lembrou que a causa dos problemas que contribui para a queda de pontes e bueiros pode estar relacionado também a falta de absorção das águas da chuva. O número de ruas asfaltadas aumentou e o lençol freático tem dificuldade de absorver as águas das chuvas que buscam os córregos aumentando o fluxo de água, explicou. Ele adiantou ainda que o IPPUA já estuda formas para acompanhar os projetos de pavimentação da Cidade nos próximos dez anos. Transparência O vereador William Ludovico pediu ao secretário de Infra-estrutura maior transparência nas obras da pasta. É preciso afixar em cada obra o nome da empreiteira, o número do edital da licitação, o valor das obras, para que possamos saber o que está sendo realizado e de que forma, ponderou. Apesar das explicações de Ildney Alves, os vereadores garantem que vão continuar fiscalizando as obras de recuperação dos bueiros e pontes.